HISTÓRIA

Futevôlei de Duplas:

Ninguém jamais saberá quem foi que inventou esse jogo. Os fundadores ou pioneiros concordam todos com uma única teoria: certamente os inventores foram meninos cariocas, conhecidos como praieiros, ratos de areia, boleiros de praias. Esses garotos que chegam à praia quando amanhece e só voltam pra casa quando anoitece, e que moravam em ruas de Copacabana, próximas à praia, e com toda a certeza na alguns da Rua Bolívar.

Os meninos simplesmente aproveitavam as balizas (sem redes) dos campos de futebol de areia, traçavam as quadras dos dois lados da baliza com pés. O travessão das balizas então viravam “redes de vôlei” e os jogadores podiam tocar três vezes na bola com os pés ou a cabeça, e como no vôlei a bola não podia tocar o chão dentro da quadra demarcada.

Em frente à Rua Bolívar, no ano de 1962, esses meninos já rapazes, freqüentavam uma rede de vôlei que ficou famosa na historia do vôlei de areia, porque o time, integrado por jogadores olímpicos e da seleção brasileira, foi tricampeão de campeonatos disputados entre equipes cariocas inclusive das praias de Icaraí e praia das Flechas, essa rede era o ponto de encontro de todos os jovens moradores do pedaço, rapazes e moças, namorados, alguns já casados, que armavam barracas dos dois lados da quadra para assistir aos jogos sensacionais.

A maioria dos inventores não se interessava pelo vôlei e sim estavam aguardando uma chance de pegar a bola deles para jogar o futevôlei por cima das balizas. Portanto os precursores do futevôlei continuavam a ter um problema, porque faltava o essencial: a bola; os “voleibolistas” alegavam que nós iríamos deformar a bola com nossos chutes e essa alegação nos fez desistir de pedir a bola deles emprestada.

Fomos salvos pela bola especialmente fabricada para futebol de areia (alguns de nos disputava o campeonato de futebol de areia). Foi feita uma vaquinha e compramos a primeira bola para futevôlei do mundo, aí estava na cara que poderíamos abandonar as balizas e partir para quadra de vôlei, desde que estivessem desocupadas. Surge então o futevôlei. Começamos jogando com seis de cada lado como no vôlei. Muitos eram os que queriam participar dos jogos. Mas com seis de cada lado a bola não caia e ficava chato. Passamos então montar novas redes para jogar. Com o tempo, fomos nos aperfeiçoando no toque de bola e como no vôlei passamos a jogar em duplas. E mais tarde, quando o nosso querido Feitosa , o grande jogador de vôlei e que integrava o time da Bolívar – inventou a “umpla” nós também passamos a jogar esta modalidade.

As regras eram as mesmas do vôlei. O sague era dado com a bola sendo chutada após lançarmos com as mãos – solta e chuta – mas como o grande Bernard tinha inventado o saque mortal “jornada nas estrelas”, começamos também a sacar a “jornada”. Mas durou pouco, Alguns conseguiram sacar com os pés mais alto que o Bernard com as mãos e era impossível dominar a bola com os pés, cabeça ou no peito do outro lado da quadra. Passamos então a sacar com a bola parada no chão, valendo fazer o montinho de areia, como é feito atualmente.

Portanto os inventores do futevôlei foram àqueles meninos das balizas e os outros que vieram depois que jogavam bem e os que jogavam mal, todos são pioneiros, todos amaram e amam o esporte e sem eles todas as redes de vôlei estariam vazias sem jogadores de vôlei para jogar.

Difícil recordar todos esses nomes sem correr o risco de cometer injustiça e ingratidão: RALPH, AYRTON e ADILSON (irmãos), ZÉ e MARCOS (irmãos), BETO e TANANÃ (irmãos), FEITOSA e VITINHO (craques do vôlei) CARLÃO, ÍNDIO, OSWALDO (francês), CARLSON GRACIE (o maior de todos os faixa pretas), COQUEIRO (craque do basquete) e outros.

Em 1965, mudei-me para a Rua Joaquim Nabuco, no posto 6, e levei o futevôlei para Ipanema, em frente ao Castelinho. Aí outros foram seduzidos pelo jogo que alguém rebatizou: como era vôlei com pé chamaram-no de pévolei, e não colou. O nome futevôlei prevaleceu e ganhou excelentes seguidores como JAIRZINHO e MARINHO BRUXA, craques do botafogo e da seleção, FONTANA do Vasco e da seleção, os irmãos PAULINHO e JOHNNY FIGUEIREDO filhos do ex-presidente e muitos outros.

Em 1967, o inesquecível Carlinhos Niemeyer, que editava o canal 100 na TV só sobre esportes, filmou o futevôlei em frente ao Castelinho e o nosso fomos para a TV e o cinema.

O RALPH, o fundador da Rua Bolívar, nesse ano foi para a Rua Montenegro, hoje Vinícius de Morais e levou o futevôlei para a rapaziada de lá, onde encontrou o grande e inesquecível Doval, craque argentino que jogava pelo Flamengo. O Ralph e o Doval plantaram a semente do futevôlei na Vinícius de Morais e hoje passados mais de 30 anos, não há no mundo melhor futevôlei.

Após o triunfo da Seleção Tricampeã de 1970, profissionais do futebol brasileiro, jogadores, técnicos, preparadores físicos e fisioterapeutas começaram ser valorizados pelo mundo e ter seus trabalhos requisitados. Arábia Saudita, Oriente Médio, África, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, América do Norte, Itália, Espanha, Holanda, Portugal, Inglaterra, França e Alemanha entre outros, começaram a sofrer influência dos gostos do boleiro brasileiro e consequentemente a “provar” um pouco da magia do futevôlei. Mais recentemente brasileiros comuns, que vão morar no exterior e praticavam o futevôlei no país também ajudaram a expandir as fronteiras do esporte e hoje podemos ver o futevôlei sendo jogado no Central Park em Washington, no Hyde Park em Londres e é possível que esteja na Praça da Paz em Pequim.

Para aqueles que inventaram o joguinho sempre será difícil entender esta curtição, mas para todos nós o mais impressionante de todas as adesões foi e é a das mulheres. Porque elas todas, iniciadas na Vinícius pelos namorados ou maridos, levavam enorme desvantagem na recepção e no passe pelo fato de não usarem o peito (tórax). Então elas iniciaram usando os pés e a cabeça para recepcionar, passar, atacar e, com o tempo, as fantásticas mulheres conseguiram usar os ombros para substituir o peito. Hoje elas recepcionam, passam e atacam com qualquer dos ombros com absoluta precisão, hoje também elas jogam torneios femininos e de duplas mistas com os rapazes. Na Vinícius existem quatro redes de futevôlei e só duas de vôlei.

No calçadão param passantes, turistas com máquinas fotográficas, filmadoras e cinema. Junta muita gente para ver: MARCINHA, ISADORA, SOLANGE e outras jogando com ou contra: DUNGA, ZECA, LEANDRO, MAGAL, PEDRINHO, JONAS, GUGU e os profissionais: RENATO GAÚCHO, EDMUNDO, FÁBIO BAIANO, DJALMINHA, ADÍLIO, CLAUDIO ADÃO e o grande ROMÁRIO. É ver para crer.

Pepeu Gomes, aquele baiano e sua fantástica guitarra diz em uma de suas lindas canções: “fazendo música e jogando bola”, não conheço melhor definição para essa paixão de crianças, nossa paixão, a maior das paixões brasileiras: uma bola.

Esta e a História real do futevôlei, contada pelo criador da modalidade, Sr. Otavio Sergio de Morais (TATA). (in memoriam).

Futevôlei Misto:

Em 1996 as meninas já batiam sua bola nas redes de Futevôlei, mas nunca entre elas e sim formando dupla com um atleta masculino. Os Campeonatos Mistos (assim conhecidos por ter um atleta de cada sexo) eram frequentemente disputados, mas a regra não era atrativa, pois as meninas se limitavam a ficar embaixo da rede como levantadoras, enquanto os meninos corriam por toda a quadra. Mais, o saque era sempre recepcionado pelo atleta masculino! Foi então que nosso Diretor Técnico da Futerj na época, Dunga, modificou a regra dos jogos mistos, obrigando as meninas a recepcionarem o saque feito pela atleta feminina adversária. Com isso houve uma grande revolução no Futevôlei Feminino com as meninas recepcionando saques de ombro e até de peito e partindo para o jogo! A partir daí foram surgindo os primeiros Campeonatos Femininos de Futevôlei! Essa mudança foi necessária para a evolução do jogo feminino, mas também para tornar atrativo o Torneio Aquafresh de Futevôlei Misto realizado por nosso Diretor em parceria com a empresa New Concept Promoções e Merchandising. Foram cinco etapas no Rio de Janeiro na Praia de Ipanema – Vinícius de Moraes e uma etapa em Maresias – São Paulo. A partir do sucesso deste evento é que surgiu nesta mesma época a primeira Clínica de Futevôlei, a Clínica Aquafresh, tendo como professores e responsáveis, Dunga e Miguel.

Futevôlei 4×4:

Em 1990, outra forma de jogar foi surgindo: o Futevôlei de quadra, assim conhecido na época e depois batizado de Super Futevôlei. Tratava-se de um jogo com quatro jogadores para cada lado, uma nova maneira de praticar o esporte, mas apenas como exibição. Nos primeiros alentos do Futevôlei, eram cinco jogadores para cada lado. A ideia era possibilitar a maior cobertura do campo e maior movimentação e permanência da bola em jogo, além de assim promover o encontro e confraternização necessários entre os esportistas, uma celebração coletiva. Gostoso para quem jogava, mas sem atrativos para quem assistia o que não gerava interesse das redes de TV! Havia muitas trocas de bolas (rallys) e o jogo era mais uma “linha de passe” dentro de uma quadra de vôlei, por conta da altura da rede ser muito alta (2,43m). Não havia ataques, cortadas, enfim, jogadas radicais que atraíssem público e principalmente mídia! Assim, em 2008, nosso atual Presidente e então Diretor Técnico da Futerj, Renato Adnet, mais conhecido como Dunga, lançou a modalidade Futevôlei 4×4®, baixando a rede para apenas 2 metros, com partidas de 25 pontos sem vantagem, com a jogada bicicleta valendo 2 pontos e inserindo um quinto jogador (reserva), sendo um deles um ex-jogador de futebol famoso! A modalidade ficou atrativa, radical, com os jogadores fazendo ataques potentes com os pés e a cabeça e até bloqueios! E foi assim, em Florianópolis, em 2009, que foi feito o Desafio de Futevôlei 4×4® e em março de 2011, em parceria com as empresas de marketing esportivo Max Sports e Brasil 1, fizemos o primeiro Campeonato Mundial de Futevôlei 4×4 em três dias, com transmissão ao vivo pelo Sportv. De lá para cá, já houve a segunda edição do Mundial e iremos fazer em Outubro de 2012 a primeira Copa Brasil de Futevôlei 4×4.
Hoje as marcas Futevôlei 4×4® e todas as suas variações estão sob os cuidados da IMX em parceira com nosso Presidente. A IMX é uma das maiores empresas de marketing esportivo, holding da IMG, maior empresa de marketing esportivo do mundo. Tem em sua carteira 52 dos maiores eventos esportivos de diversas modalidades, entre eles o Futevôlei 4×4®!